> Notícias > Novo projecto turístico vai nascer em Rio Frio até 2018
Share |
Enviar a um(a) amigo(a)E-mail      ImprimirImprimir      FavoritosFavoritos      Adicionar comentárioComentários

Novo projecto turístico vai nascer em Rio Frio até 2018


Novo projecto turístico vai nascer em Rio Frio até 2018

A Sociedade Agrícola de Rio Frio deverá investir entre 20 a 30 milhões de euros até 2018 para criar naquela zona do concelho de Palmela um “projecto turístico inovador”, capaz de se destacar a nível nacional e internacional. Ramos Rocha, presidente da sociedade, explica que o objectivo principal passa por “aliar a valorização e modernização do agro-industrial”, potenciando a produção de vinho de qualidade, de carne de bovino e de cavalos puro-sangue lusitanos, “com outros projectos turísticos baseados na história e cultura do território e na recuperação do património já edificado”.


O projecto turístico, que prevê assim a recuperação de 80 mil metros quadrados de construção, prevê o nascimento na zona de um hotel de 4 estrelas, com piscina, spa, ginásio e 116 camas, que ocupará parte das antigas adegas e o edifício de descasque de arroz. “O estabelecimento hoteleiro, em articulação com outras casas de campo, com outras residências turísticas e outras casas rurais, integrará os elementos industriais de maior valor histórico”, avança o presidente da empresa promotora do investimento.

 

Apesar de ainda existirem projectos já candidatados ao Proder (Programa de Desenvolvimento Rural) e de outros que ainda o serão, a Sociedade Agrícola de Rio Frio está já a investir em algumas operações, nomeadamente a nível da plantação de uma nova vinha de 150 hectares e de um novo centro de vinificação. A estas empreitadas, que permitirão ao projecto desenvolver assim a sua componente mais ligada ao enoturismo, deverá juntar-se em breve a reconversão e o aumento do efectivo bovino para 1500 animais e a criação, na herdade, do Parque Rio Frio, orientado para a melhoria do montado de sobro e para a valorização da fauna e flora locais.

 

“Trata-se de um projecto articulado e alinhado com a ambição e estratégia de afirmação regional da Área Metropolitana de Lisboa a nível nacional e internacional”, justifica Ramos Rocha. Além do parque Rio Frio e da componente hoteleira, o projecto antecipa ainda a recuperação de parte das adegas antigas e o desenvolvimento de um verdadeiro centro hípico, que pressupõe, entre outras empreitadas, a reactivação da coudelaria Rio Frio e a recuperação do antigo picadeiro, todas elas “visando a criação de um verdadeiro pólo competitivo do cavalo que permita o desenvolvimento da fileira dos cavalos portugueses”.

 

Rio FrioO centro hípico prevê mesmo a existência de um hipódromo, com uma pista para treinos e uma outra para competições, a construção de um novo picadeiro coberto com capacidade para 524 lugares sentados, uma casa das rações, 96 novas boxes, a recuperação de outras 500 nas antigas pocilgas, uma bancada coberta, parques de estacionamento, tendas e boxes desmontáveis e, finalmente, a existência de um centro de eventos e de um museu. Para viabilizar este último é necessária uma inventariação de todo o espólio existente ligado à terra.

 

“A aldeia será o elemento chave e vai ser o elemento aglutinador de todo o resto”, afiança Ramos Rocha. Perante a magnitude do projecto, Ana Teresa Vicente, presidente da Câmara Municipal de Palmela, afirma que a autarquia “sempre acarinhou o projecto”, uma vez que este é “mais um exemplo do desenvolvimento que se tem procurado para o município, sempre ligado ao mundo rural”. “É a prova de que é possível investir, não descaracterizando aquilo que existe, mas sim aproveitando e reabilitando algo que já é de Rio Frio”, sustenta.


Bruno Cardoso - 17-02-2011 17:52

Share |
Enviar a um(a) amigo(a)E-mail      ImprimirImprimir      FavoritosFavoritos      Adicionar comentárioComentários

Veja também...

Há escolas no distrito que ainda não abriram portas

Rita Sampaio, diretora do Centro de Empresas Maquijig

“Vê-se cada vez mais projetos a serem feitos em parceria”

Intercâmbio em Setúbal alerta para os perigos do tabaco

Feira Quinhentista relembra a essência da Aldeia Galega

PSD responsabiliza Nuno Canta pelas inundações no concelho