[ Edição Nº 21 ] – Greve por tempo indeterminado na Sodia.

0

barra-4345937 Edição Nº 21,   25-Mai.98

linha-1702388

Na Sodia
Greve para ‘lavar e durar’

           Os cerca de 500 trabalhadores da Sodia, a ex-Renault de Setúbal, entraram em greve por tempo indeterminado, até que o Governo lhes garanta saídas para a totalidade dos funcionários que, a partir de 30 de Junho vão ficar sem postos de trabalho. A fábrica fecha as portas no mês que vem, por ordem do Ministério da Economia.

          A greve na Sodia começou na Segunda feira, dia 18 de Maio, por decisão do plenário de trabalhadores ocorrido logo após o pedido do secretário de Estado da Economia, Vitor Ramalho, no sentido de adiar a reunião, prevista para a Sexta feira anterior, com a Comissão de Trabalhadores da empresa. A ideia era discutir eventuais respostas para os cerca de 200 funcionários que ainda não foram abrangidos pelo plano governamental de ajuda aos trabalhadores da Renault de Setúbal, após o encerramento da empresa. Os operários da fábrica de montagem automóvel fartaram-se de esperar e como disse o sindicalista Manuel Véstias ao “Setúbal na Rede” “vamos pressionar, através de greves, até que o Governo arranje colocação ou soluções para todos os trabalhadores da fábrica”.

          O problema, segundo o dirigente sindical, é que “o plano que nos arranjaram contempla menos de metade dos postos de trabalho existentes na fábrica e, como se não bastasse, muitas das colocações arranjadas pelo secretário de Estado não são adequadas aos nosso trabalhadores”. Para além disso, os funcionários da Sodia continuam sem saber quem vai para que empresas “e em que condições de trabalho e de vínculo laboral”. Para além da garantia de soluções para todos os funcionários que em Junho vão ficar sem emprego, a Comissão de Trabalhadores da Sodia exige ainda o aumento das verbas complementares às indemnizações por rescisão de contrato, formação profissional nos locais de trabalho e esquemas de protecção para os trabalhadores prestes a entrar na pré-reforma.
          A situação dos trabalhadores da ex Renault tem suscitado o interesse de diversos grupos parlamentares, através de contactos e visitas às instalações da fábrica. Para esta semana está prevista uma visita do deputado do PP, António Pombeiro (que ocupa o lugar abandonado há cerca de duas semanas por Kruz Abecassis) às instalações da Sodia, acompanhada de uma reunião com os dirigentes dos trabalhadores. A ideia de António Pombeiro é recolher informações sobre o assunto, no sentido de, posteriormente, questionar o Governo sobre o que se tem feito e o que se pretende fazer para resolver o problema dos cerca de 500 trabalhadores da Sodia.

seta-8500548