[ Edição Nº 35 ] – Empresário do Alentejo discutem o Euro na AERSET.

0
Rate this post

barra-2518525 Edição Nº 35,   31-Ago.98

linha-2552037

No âmbito da Feira Anual de Grândola
Empresários do Alentejo discutiram a moeda única

           A Associação Empresarial da Região de Setúbal, AERSET, em Vila Nova de Santo André promoveu, no dia 27 de Agosto, um colóquio sobre o Euro. O encontro, realizado no âmbito da Feira de Grândola, teve por objectivo esclarecer os empresários sobre a moeda que vai substituir o escudo a partir do ano 2002.


          Os aspectos práticos da introdução do Euro, a nova moeda e a competitividade das empresas, bem como as consequências da introdução da moeda única na área financeira, foram os temas abordados no colóquio que decorreu na sala de sessões da Câmara de Grândola. O encontro contou com a participação de cerca de meia centena de membros daquela associação, que durante cerca de 3 horas ouviram falar das implicações da introdução da nova moeda no mercado nacional.

          Manuel Gonçalves Cachadinha, vice presidente da AERSET, considera-se satisfeito com adesão à iniciativa realizada em Santo André, especialmente tendo em conta que segundo este responsável “o despertar para este problema ainda não foi feito, a nível geral”. Isto porque, para Manuel Cachadinha, o Governo “não fez aquilo que devia ter feito”, ou seja, mobilizar os empresários para os debates sobre a nova moeda europeia. Convicto de que ao Governo “falta fazer muito neste campo da divulgação, ao nível da comunicação social”, o vice presidente da AERSET garantiu que a associação não vai ficar de braços cruzados porque a breve prazo pretende promover cursos de formação de empresários no sentido de os preparar para a utilização da moeda única europeia.
          Para ilustrar a necessidade de formação a este nível, o vice presidente da AERSET refere que “as empresas que não tenham quadros capazes de fazer a conversão de raciocínio ou facturação de escudos para euros, vão ter dificuldades de adaptação e perder competitividade em relação a outras que se adiantaram nesse terreno”.
          Questionado pelo “Setúbal na Rede” sobre as vantagens da aplicação da moeda única europeia, o vice presidente da AERSET diz estar convencido de que a economia portuguesa e a economia europeia sairão beneficiadas com esta medida. A opinião do vice presidente da AERSET é, de resto, partilhada pelo director da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo que aproveitou para reforçar a ideia de que “o Euro irá permitir a Portugal entrar numa zona económica de 300 milhões de consumidores”, o que na prática significa “um espaço de crescimento muito grande”.
          Mas como esse espaço pode também significar problemas, Almeida Braga refere a necessidade de “uma grande atenção dos empresários em acompanhar o ritmo de crescimento”, sob pena de ficarem para trás. Um problema que para esta responsável, pode ser ultrapassado pelos empresários portugueses, até porque acredita que “ao ritmo a que a nossa economia cresce, temos todas as condições para acompanhar o desenvolvimento económico do espaço europeu”.
          Como para acompanhar o crescimento europeu é necessária competitividade, o Ministério da Economia criou um gabinete denominado Comissão Euro Empresas que, segundo Luís Dias, o representante da Comissão no colóquio da AERSET, pretende “dinamizar as empresas no seu processo de tomada de decisão, na fase de transição para a moeda única”.
          No âmbito desta dinamização, a Comissão Euro Empresas mantém-se em colaboração com as associações empresariais e com as autarquias, no sentido da publicação de artigos sobre a moeda única e da promoção de seminários e colóquios. Utilizando as mais recentes tecnologias, a Comissão Euro Empresas abriu uma página na Internet, em www.euro-empresas.min-economia.pt, através da qual oferece um consultório interactivo, onde as empresas podem ver esclarecidas todas as dúvidas num prazo máximo de 24 horas.

seta-6255521