[ Edição Nº 42 ] – Secretário de Estado do Emprego afirma que o desemprego está a descer em Setúbal.

0
Rate this post

barra-5118038 Edição Nº 42,   19-Out.98

linha-3850916

Desemprego está a baixar em Setúbal
Garantia dada pelo Secretário de Estado do Emprego

           O desemprego está a diminuir em Setúbal. É pelo menos essa a convicção do Secretário de Estado do Emprego e Formação Profissional, Paulo Pedroso, que afirma que “nos últimos três anos houve uma redução de dez mil inscritos nos Centros de Emprego do distrito”, adiantando, contudo, que esta região não deixou de ser uma preocupação para o Governo já que “existem zonas piloto no combate ao desemprego e a Península de Setúbal é uma delas”.           Estas declarações foram proferidas durante um seminário sobre o projecto Europrise que apoia a criação de empresas por parte de jovens empresários. Este seminário decorreu no edifício CEISET, em Setúbal, no dia 16 de Outubro e que contou, para além do Secretário de Estado, com a presença de Dag Ofstad, o coordenador transnacional do projecto Europrise.           As críticas ao mau funcionamento do programa de incentivos na área da criação de auto-emprego por parte dos jovens foi um dos principais pontos de discussão do seminário. Os atrasos na atribuição dos meios prometidos à partida aos participantes no projecto Europrise foram identificados como o maior obstáculo com que estes se depararam no processo da criação das suas empresas.

          O projecto tem em Portugal dois pólos de desenvolvimento: Setúbal e Lousã. Na cidade do Sado, foram seleccionados 14 jovens que ambicionavam formar a sua própria empresa e na Lousã o projecto arrancou com um número mais reduzido, apenas seis potenciais empresários tiveram a oportunidade de recorrer ao Europrise. Através de estágios em empresas já constituídas e do apoio logístico e económico prestado no âmbito do projecto, estão hoje em funcionamento oito novas empresas em Portugal e, na opinião de Mário Ruivo, Director da Escola Profissional da Lousã, que apoia este programa, “só não foi possível fazer melhor porque faltou o dinheiro e não foram dados os apoios devidos”.

          A ideia que está na origem do presente projecto nasceu na Noruega na sequência de experiências bem sucedidas de criação de microempresas, a partir de empresas já existentes como forma de minorar, por via do auto-emprego, o desemprego juvenil em algumas zonas daquele país. Surgiu depois a ideia de esta experiência ser devidamente adaptada, aperfeiçoada e transformada em projecto-piloto em alguns países da União Europeia.           As empresas já existentes que dão apoio a este projecto surgem como elemento integrador do processo, facultando estágios que permitam aos participantes não só a vivência concreta de uma realidade empresarial, mas também pistas ou mesmo oportunidades específicas, relativamente à concepção e implementação dos respectivos projectos empresariais.

          O Secretário de Estado do Emprego salientou a importância de medidas como esta na criação de emprego para jovens qualificados uma vez que “hoje é mais fácil para o mercado de trabalho absorver jovens pouco qualificados do que aqueles que têm formação superior”.

seta-2915338