[ Edição Nº 46 ] – Grupo de Cidadãos quer evitar despejo do Círculo Cultural de Setúbal.

0

barra-5663846 Edição Nº 46,   16-Nov.98

linha-2022772

Grupo de Cidadãos quer evitar
Despejo do Círculo Cultural de Setúbal

           A ordem de despejo dada ao Círculo Cultural de Setúbal pelo proprietário do edifício levou à constituição de um grupo de cidadãos em defesa daquela instituição cultural da cidade. Luís Vitorino é um dos elementos deste grupo de cidadãos e garante que estão “dispostos a envidar os esforços que se revelem necessários para não deixar morrer a colectividade” fundada em 1969 por grandes nomes da cultura como Zeca Afonso.

          Para alertar a opinião pública e as entidades oficiais, no sentido de encontrar uma solução para o problema, este grupo de cidadãos lançou já um manifesto sobre a actual situação do Circulo Cultural, na esperança de sensibilizar quem de direito para a busca de uma solução “rápida e urgente” para esta colectividade que, depois de 23 anos a funcionar no mesmo edifício, corre o risco de ser despejada.

          Para além do manifesto, o grupo de cidadãos colocou em circulação um abaixo assinado que será entregue junto da Câmara Municipal, reivindicando a ajuda da autarquia que desde Setembro, altura em que foi alertada para o problema, se dispôs a ajudar o Círculo.

          Ainda no âmbito da ajuda ao Círculo Cultural, este grupo de cidadãos tenciona promover um espectáculo, que deverá ser realizado no Fórum Luísa Todi, com a participação de grupos musicais e projectos artísticos a que o Círculo tem dado guarida ao longo dos últimos anos. Segundo Luís Vitorino contou ao “Setúbal na Rede”, a ideia é “despertar consciências e mostrar a quem ainda não sabe, o quanto esta instituição tem sido importante para a cultura e para a educação”.

          É que, de acordo com este responsável, “é necessário termos consciência de que Setúbal sofrerá um rude golpe se a colectividade desaparecer, pois trata-se de uma entidade de utilidade pública que ao longo de cerca de 30 anos tem dado tudo pela cultura da cidade”. Um trabalho que, de resto, foi reconhecido pela própria Assembleia Municipal de Setúbal, ao votar por unanimidade, em Agosto deste ano, uma moção no sentido da Câmara Municipal de Setúbal se envolver directamente na resolução do problema.
          A partir de agora, o Círculo encetou uma corrida contra o tempo e, se as ajudas não surgirem depressa, morrerá a colectividade de trouxe a Setúbal grandes nomes da cena política e cultural do país, formou profissionais e promoveu o ensino de adultos, ‘abraçou’ artistas como Carlos Rodrigues, Pompeu José e Rui Paulo, acolheu o Fontenova Teatro Estúdio, lançou nomes como Marta Dias e grupos como os Disto e Daquilo, D’Tràs da Guarda, Hands on Aproach, Da Bélio-C e Charlie and The Bluescats.

seta-3018318