[ Edição Nº 56 ] – AVISO À NAVEGAÇÃO por Rogério Severino.

0
Rate this post

barra-6552772 Edição Nº 56,   25-Jan.99

linha-2333942

rogerio-1454089

AVISO À NAVEGAÇÃO !!
por Rogério Severino (Jornalista do “Jornal de Notícias” e
membro eleito do Conselho Geral do Sindicato dos Jornalistas)

O ónus das eleições deve caber
a quem defendeu a co-incineração

           A vida política está a subir de tom no distrito de Setúbal. Os Estados-Maiores partidários deixam às Concelhias a tarefa de se entenderem com a escolha dos integrantes das listas para as Câmaras Municipais e para as Juntas de Freguesia. É um entrenetimento suficiente para os que pretendem poder a nível local. Para as distritais fica a melhor fatia: a escolha dos integrantes para as apetitosas listas para o Parlamento Europeu (coitados, lá se vão ‘sacrificar' para Bruxelas e Estrasburgo; mas como é a bem do povo…) e para a Assembleia da República. Eles que se entendam e desentendam mas para bem da estabilidade democrática e da sanidade mental, que mudem os que estão nas costas de Luisa Todi. Aliás, na ora da votação é bom saber quem foi a favor e contra o processo de co-incineração no Outão-Setúbal.

          Voltando ao contacto com os leitores do “Setúbal na Rede”, agora, só uma vez por mês (terá andado mãozinha da tropa fandanga? Não sabemos.), abordamos hoje o momento político, em crescendo no distrito de Setúbal. Primeiro, o facto de a nova AD, que vai juntar o PSD e o PP, ter dificuldade em vingar no Círculo de Setúbal onde não encontramos justificação para eventualmente fazer eleger qualquer deputado do PP a reboque do PSD; ou seja, por si próprio, o PP não tem qualquer expressão a nível distrital e consideramos que é forçar a entrada numa lista conjunta de elementos que pelo seu próprio Partido jamais seriam eleitos. É a antítese da democracia e só sucede por ausência de Círculos nominais, onde jamais seriam eleitos.

          Não é que tenhamos alguma coisa contra ou a favor do PP, mas sim colocamo-nos perante a realidade destes inconvenientes da democracia que levam elementos de Partidos a serem eleitos por integram listas conjuntas. No caso de Setúbal, por exemplo, se recuarmos às autárquicas de 1997, o candidato do PP à Câmara Municipal de Setúbal reduziu o eleitorado do Partido a menos de metade e actualmente na Assembleia da República o PP tem um deputado eleito por Setúbal porque se trata de uma figura conhecida e que se candidatou pelo Círculo de Setúbal a fim de pôr a casa em ordem.           Também não encaramos muito bem o facto de se utilizar um cabeça de lista que depois de eleito abandona o eleitorado e nunca mais ninguém o vê. Nas anteriores eleições, Carlos Pimenta foi cabeça de lista do PSD pelo Círculo de Setúbal e a seguir foi para o Parlamento Europeu, onde ainda se encontra; no caso do PS, foi António Vitorino o cabeça de lista e depois como o PS ganhou as eleições foi para o Governo e nunca mais ninguém o viu. Somente Octávio Teixeira (PCP) e Krus Abecassis (PP) se mantiveram em S. Bento tal como foram eleitos.           Para as próximas legislativas de Outubro, o cenário vai repetir-se: Carlos Pimenta está definido para cabeça de lista da AD no Círculo de Setúbal; se o seu Partido ganhar irá para o Governo, se não, como vai integrar a lista do Parlamento Europeu, voltará para Bruxelas. Quanto a António Vitorino, já foi convidado para voltar a encabeçar a lista do PS por Setúbal; se aceitar e se o PS voltar a ganhar, irá para o Governo; se não ganhar, certamente que lhe aguardará outro cargo, mas em ambas as situações os cabeças de listas deveriam respeitar o compromisso para com os eleitores.           No caso do PS, os muitos, muitos, candidatos, bem lutam por um lugar elegível e para isso fazem todas as acrobacias possíveis. Os contorcionistas do Circo de Moscovo são simples aprendizes perante as dobragens artísticas que os eventuais candidatos fazem para servir o povo. É evidente que a Direcção Nacional, conhecedora da situação, poderá aumentar a sua quota de intervenção de forma a refrear os ânimos daqueles que, sofregamente, tudo fazem para entrar nas listas.           É urgente que se moralize a vida política no distrito e que se diga frente a frente que os cabeças de lista são somente para serem utilizados como chamariz e seria uma posição de sanidade política se os cabeças de lista da AD e do PS viessem publicamente dar compromisso de honra de que se forem eleitos se manterão nos cargos.           É evidente que com o aparecimento da AD, tanto o PS como o PCP terão que trabalhar mais, só que para o próximo acto eleitoral tanto o PCP como a AD têm um trunfo importante: sempre foram contra a co-incineração no Outão e contra o tratamento de resíduos no Barreiro. Pelo contrário, o ónus de o PS se manter em silêncio e os seus responsáveis distritais se mostrarem de acordo com a co-incineração, será um ónus que lhes vai custar muitos votos. É bom não esquecer quem foram e são os adeptos da co-incineração e quem tem lutado contra. Com toda a justiça e se bem que os responsáveis do PS no distrito tivessem defendido a co-incineração (o problema é sempre dos outros), de ressalvar uma voz que se demarcou e mostrou cumprir a sua missão de autarca: Mata Cáceres, Presidente da Câmara Municipal de Setúbal, que teve grande influência na exclusão de Setúbal do processo de co-incineração.

          Nota da redacção:A crónica AVISO À NAVEGAÇÃO !!, de Rogério Severino, passou a ter periodicidade mensal devido a critérios editorias que tiveram por objectivo tornar este espaço de opinião mais abrangente. Assim aconteceu com a introdução de crónicas assinadas por Mendes Ferreira, Raúl Oliveira e José Carlos de Sousa, como atempadamente foi informado o próprio Rogério Severino. Por aqui não andou qualquer mãozinha, pois o “Setúbal na Rede” continua a orgulhar-se do estatuto de independente que pautou já um ano da sua existência.

seta-7986371