[ Edição Nº 68 ] – Distrito com menos Bandeiras Azuis.

0
Rate this post

Distrito cada vez menos azul
Praias de Sesimbra e de Setúbal sem galardões

           A dois meses do início de mais uma época balnear, começam a delinear-se as estratégias turísticas próprias da época, sendo a conquista das bandeiras azuis da Europa, para a qualidade das praias, um dos galardões mais apetecidos. Mas no distrito de Setúbal nem tudo corre bem, já que, segundo o “Setúbal na Rede” apurou, algumas das praias de maior interesse turístico não estão na lista das candidatas.

          A Bandeira Azul não vai chegar este Verão ao concelho de Sesimbra porque a autarquia considerou ser desnecessário investir cerca de mil contos na formulação de uma candidatura, que à partida não tem qualquer hipótese de ser aprovada pelo júri europeu que avalia os processos. A questão é que no ano passado a praia do Moinho de Baixo conseguiu o galardão azul, como já vinha sendo habitual, só que este acabou por não ser hasteado porque “a Associação da Bandeira levantou entraves por existirem na praia dois restaurantes clandestinos”, revelou ao “Setúbal na Rede” o vereador do ambiente, Cristóvão Rodrigues.

          Em causa estão dois empreendimentos instalados na zona de praia “sem licenciamento nem condições”, pelo que até que seja resolvido o assunto, a autarquia não se candidata ao galardão de qualidade. Assim, o caso está nas mãos da Direcção Regional do Ambiente, que tem vindo a negociar com os proprietários daqueles espaços a saída do local. Segundo as contas da Câmara, se o processo correr bem, o “Posto Sete” e o “Restaurante Onda Azul” serão desmantelados ainda este ano, pelo que em 2000 será feita a candidatura à Bandeira Azul.           No concelho de Setúbal continua por candidatar toda a frente de praia, por causa do ordenamento da zona, em suspenso devido aos atrasos do ICN na elaboração do plano oficial, e das questões da poluição causadas pela cidade. A decisão tomada pelo vereador do ambiente, Mota Ramos, será alterada quando se proceder ao ordenamento das área e quando existirem condições para acabar com a poluição da praia de Albarquel, causada pelo lançamento dos esgotos urbanos. Uma situação que só poderá ser resolvida com a construção da Estação de Tratamento de Águas Residuais, prevista para o próximo ano.

          Em Grândola, os turistas não vão ver o galardão hasteado na praia de Melides, mas aqui os motivos são bem diferentes. O areal vai entrar em ‘obras' de valorização e requalificação, ao abrigo de um acordo assinado entre a autarquia e o Ministério do Ambiente. Mas se Melides não vai ter bandeira, o galardão pode vir a ser conquistado por outras praias já que Grândola decidiu-se por uma aposta mais alta e tem mais concessionários a candidatar praias que no ano passado. Assim, segundo revelou ao “Setúbal na Rede” Joaquim Gonçalves, assessor do presidente grandolense, Fernando Travassos, nas mãos do júri estão as praias da Galé, Tróia, Comporta, Carvalhal e Pego.

          No caso da frente de praias de Almada as candidatas vão continuar a ser as praias do Medos, Terras da Costa e Acácias, uma aposta que a autarquia espera ver ganha, a exemplo do que aconteceu no ano passado. A Câmara de Sines também enviou este ano as candidaturas, contrariamente ao que se verificou o ano passado por ter considerado existir falta de transparência no processo de atribuição. Mas este ano mudou de opinião e candidatou as praias de Morgavel, Praia Grande, Porto Covo e Ilha do Pessegueiro.

          O anúncio dos vencedores deste galardão será feito a 18 de Junho, pela Associação Nacional para a Bandeira Azul da Europa, depois de um conjunto de inspecções a efectuar pela Direcção Regional do Ambiente de Lisboa e Vale do Tejo, a Sub Região de Saúde de Setúbal e o Instituto da Conservação da Natureza.