[ Edição Nº 83] – Câmara de Montijo e Governo recuperam cine-teatro Joaquim de Almeida.

0

Recuperação do Cine-Teatro Joaquim de Almeida
Governo assina acordo com a Câmara de Montijo

      O Cine-Teatro Joaquim de Almeida vai entrar em obras no próximo Outono, para reabrir as portas “completamente reabilitado” em meados do próximo ano. A garantia foi dada ao “Setúbal na Rede” pela presidente da Câmara Municipal de Montijo, Maria Amélia Antunes, uma vez que os investimentos necessários estão já assegurados, através de um acordo de colaboração entre o Governo e a autarquia.

O documento, assinado no dia 28 de Julho numa cerimónia que decorreu no Montijo, foi rubricado pelo ministro da Cultura, Manuel Maria Carrilho, que disponibilizará 100 mil contos para as obras de recuperação, sendo que da parte do Ministério do Equipamento e Administração do Território, o secretário de Estado José Augusto Carvalho garantiu a entrega de 50 mil contos.

À Câmara de Montijo cabe agora a disponibilização de 150 mil contos, que Maria Amélia Antunes diz assegurar “com a maior satisfação“, uma vez que este investimento significará o fim de um processo tendente à “devolução daquele espaço à população”. E Amélia Antunes recorda que, com o encerramento do edifício, em 1991, o concelho de Montijo deixou de dispor de uma área exclusivamente cultural.

Embora considere “fundamental” a aposta na reabilitação daquele espaço no centro da cidade, a autarca não esconde o esforço financeiro que a Câmara terá de desenvolver para financiar as obras, pelo que decidiu apelar aos mecenas do concelho. Uma ideia que acredita poder ser aplicada porque, segundo defende, “a vontade de ver este espaço aberto, atravessa toda a sociedade montijense“.

O investimento nas obras de reabilitação deste equipamento vai elevar para cerca de 350 mil contos os gastos da autarquia no Cine-Teatro, tendo em conta que só a aquisição do imóvel aos proprietários particulares, efectuada em Janeiro deste ano, custou 200 mil contos aos cofres da Câmara.

Mesmo assim Amélia Antunes continua optimista, uma vez que considera a reabertura do espaço uma “prioridade” da gestão socialista do concelho. Assim, diz-se satisfeita com o rumo do processo que, respeitando a traça do velho edifício, remodelará todo o tecto, o telhado e o palco, bem como o sistema de iluminação e de som.

Para além disso, será dotado de modernos equipamentos de audio-visual, “por forma a permitir o melhor aproveitamento possível” da área destinada a iniciativas culturais. Um aproveitamento que Amélia Antunes quer que seja total, pelo que o passo seguinte será o estabelecimento de acordos com algumas entidades da região, no sentido de se desenvolverem no Joaquim de Almeida, “as mais diversas actividades culturais“, acrescenta.

Desta forma, a autarca daria corpo ao sonho acalentado pelos montijenses desde 1991, de transformar o Cine-Teatro num “espaço cultural de grande importância para toda a Área Metropolitana de Lisboa”. O Cine-Teatro Joaquim de Almeida, aberto ao público em 1957, encontra-se encerrado desde 1991 e é considerado uma das melhores salas de espectáculos do país. O edifício é conhecido pela sua imponência exterior e pela grande valia arquitectónica, dos finais dos anos 50.