[ Dia 07-03-2001 ] – Obras de restauro no Convento dos Capuchos.

0

Obras de restauro do Convento dos Capuchos

O Convento dos Capuchos, em Almada, está a ser alvo da maior beneficiação de sempre, desde a sua construção em 1559. São obras de restauro e conservação, orçamentadas em 500 mil contos, que abrangem a capela e a sacristia bem como os outros espaços do edifício. Dentro de meses, o Convento dos Capuchos será a Casa da Música de Almada.

Palco tradicional do prestigiado Festival de Música dos Capuchos, o Convento está a ser transformado na Casa da Música de Almada. As obras, de restauro e conservação, começaram em 10 de Fevereiro do ano passado e têm de estar prontas no Verão para que “o festival regresse a casa”, nas palavras de Maria Emília de Sousa. A autarca, juntamente com outros eleitos, técnicos da autarquia, responsáveis pelas obras e jornalistas, visitaram, esta quarta-feira, os trabalhos em curso no interior do edifício e nos claustros.

Como explicou a Chefe da Divisão de Museus da Câmara de Almada, Rosa Silva,  “durante todas as obras houve sempre a intenção de respeitar a traça original do efidício”. Sendo assim, “não foram introduzidos equipamentos como ar condicionado ou outros existentes em espaços modernos”. Apenas no auditório foram realizadas algumas intervenções a nivel do som e da acústica, por indicação dos técnicos, e com o objectivo de melhorar as condições naturais do espaço para a audição de música. Na sala nobre, que vai receber os convidados do Convento,  há no tecto um pequeno rectângulo, como memória da construção original, que mostra a abóbada do Convento, assim como os materiais utilizados para a sua construção. Conforme explicou o arquitecto João Lucas, “não foi possível libertar toda a abóbada, como seria desejável, mas esta janela tem um significado didáctico para quem visita o espaço”. No claustro foram realizadas sondagens arqueológicas para procurar vestígios do tempo em que o Convento funcionava como unidade religiosa, mas, segundo Rosa Silva, “só foram encontrados pedaços de faianças e porcelanas do século XVIII, antes desta época não apareceram quaisquer materiais”.

Quando as obras agora em curso terminarem, o espaço religioso do Convento dos Capuchos ficará totalmente separado do resto do edifício. Além da capela e da sacristia, e de outros locais ligados ao culto, o Convento é também composto por um  dormitório, um refeitório, uma cozinha, uma despensa, um lagar com adega, um celeiro e uma enfermaria. A capela e a sacristia terão um acesso directo e independente do resto do espaço, para que se continuem a realizar casamentos e baptizados no local. Todo o restante edifício será ocupado com salas de exposição e espaços dedicados à musica. Segundo explicou a presidente da Câmara de Almada, “o Convento dos Capuchos deve funcionar ligado à música durante todo o ano e não só na altura do Festival”. No entanto Maria Emília de Sousa não quis adiantar que outro tipo de eventos podem vir a realizar-se na futura Casa da Música, sublinhou no entanto que “o concelho tem uma Escola Profissional de Música e um Conservatório de Música, com reconhecida competência, e que podem adquirir maior visibilidade e projecção neste espaço”.

O investimento da autarquia na beneficiação do Convento dos Capuchos insere-se numa política de valorização utilitária dos espaços arquitectónicos existentes em Almada. Segundo a edil, “Almada não é um concelho rico em termos de património, porque sempre foi escolhido para o lazer e descanso, daí a quantidade de herdades e quintas existentes”. O objectivo da autarquia agora “é fazer de Almada um destino turístico de relevo na Área Metropolitana de Lisboa e a cultura é uma das vertentes fundamentais deste projecto” conforme sublinhou Maria Emília de Sousa.   

As obras em curso abrangem também toda a área de jardins, que vão ser respeitados e valorizados, porque constituem um dos atractivos principais do local. Do Convento dos Capuchos, mandado edificar em memória de Nossa Senhora da Piedade, por Lourenço Pires de Távora, originário do concelho, faz ainda parte um miradouro sobre as praias da Costa da Caparica, a cidade de Lisboa e a Serra de Sintra, a Torre de São Julião, o Bugio e a Baia de Cascais.