[ Dia 20-05-2002 ] – Barreirense goleia e assegura manutenção.

0

Numa semana marcada pelas prováveis saídas de José Pedro (Boavista) e Bruno Costa (Penafiel), a equipa do Barreiro não deu hipóteses ao Louletano e marcou cinco golos sem resposta. Igualmente imparável esteve o Seixal que, depois de bater o Lusitânia do Açores por 2-0, continua a ser a melhor equipa do distrito na Zona Sul da II Divisão B. Em má fase anda o Amora que nesta jornada voltou a perder, desta vez no terreno do Casa Pia, por 2-0.

Local: Estádio D. Manuel de Mello, no Barreiro  (250 espectadores)

Árbitro: João Figueiredo (Lisboa)

BARREIRENSE: Elísio, Farinha, Bruno Costa, João Deus, Nelson, Carlos Alberto, Fredy, Chevela, Pedro Duarte e Zé Pedro.

Treinador: Luis Vasques

Jogaram ainda: Tamandaré entrou para o lugar de Nuno Gaio, aos 64 minutos; Semeano substituiu Fredy, aos 67 minutos; e Chevela saiu para a entrada de Ricardo Jorge, aos 80 minutos.

Disciplina: Cartão amarelo a Carlos Alberto (47’), João Deus (51’) e Farinha (67’).

 LOULETANO: Dadinho, Paganni, Pedro Pereira, Kalou, Nelsinho, Resende, Paulo Jorge, Muchanga, Luís Canhoto, Telmo Pinto e Pisco.

Treinador: Miguel Fernandes

Jogaram ainda: César substituiu Pisco, aos 44 minutos; e Fonseca e Andersson entram para os lugares de Resende e Telmo Pinto, aos 77 minutos..

Disciplina: Cartão amarelo a Kalou (47’) e Luís Canhoto (64’).

O Barreirense goleou o Louletano, por 5-0, e assegurou a manutenção na Zona Sul da II Divisão B, quando faltam jogar ainda duas jornadas. Depois de o Amora e o Seixal terem atingido esse objectivo, este fim-de-semana foi a vez da equipa do Barreiro conseguir a tranquilidade, numa altura em que o clube anda agitado devido às transferências de jogadores.

Segundo o “Setúbal na Rede” conseguiu apurar, médio José Pedro está a um passo de assinar pelo Boavista, o mesmo acontecendo com o defesa-central e capitão, Bruno Costa, mas este para o Penafiel. O lateral esquerdo João Deus é outro dos nomes falados como estando muito próximo de deixar o Barreiro.

Sem confirmar qualquer transferência, Luís Vasques, treinador da equipa barreirense, acabou por dizer no final do encontro que estava “particularmente feliz por o Barreirense ter mostrado que tem um grupo de trabalho forte, numa altura em que está à beira de perder dois dos seus mais influentes elementos”.

À parte da agitação do mercado de transferências, o Barreirense e o Louletano proporcionaram um espectáculo agradável de futebol. Os primeiros dez minutos foram de total equilíbrio, mas aos 13 minutos Nuno Gaio, numa boa desmarcação pela esquerda, deu o primeiro sinal de superioridade do Barreirense, repetindo a façanha dois minutos depois, com um remate forte, que levou a bola a passar a escassos metros da baliza.

A partir daqui, a equipa do Barreiro passou a dominar por completo a partida e, por isso, foi com naturalidade que, aos 23 minutos, Chevela inaugurou o marcador. José Pedro fugiu bem pela direita e, no momento exacto, isolou Chevela, que só teve de empurrar para o fundo da baliza de Dadinho.

O Louletano acordou após o golo sofrido e, quatro minutos depois, Muchamga rematou forte, Elísio falhou e, quando já vários adversários se preparavam para chutar para o golo, Bruno Costa afastou o perigo.

O equilíbrio voltou, então, ao relvado do D. Manuel de Mello, com as oportunidades de golo a dividirem-se para ambas as equipas. Aos 31 minutos, Fredy quase surpreendeu Dadinho com um centro-remate, imitado aos 40 minutos por Luís Canhoto, que por pouco não traiu Elísio com um toque de cabeça pouco voluntário.

Na segunda parte, o Louletano entrou em campo mais determinado, já que, à semelhança do Barreirense precisava de três pontos para assegurar, desde logo, a manutenção na II Divisão B.

Resende, num livre directo, aos 52 minutos, e Kalou, aos 62, estiveram muito perto de empatar  jogo. Mas, contrariando as expectativas, acabou por ser a equipa do Barreiro a marcar. Nelson e Tamandaré tabelaram dentro da grande área e o primeiro, já de ângulo muito difícil, rematou forte e cruzado e a bola só parou no fundo das redes.

“Depois do 2-0 sentimos muitas dificuldades e cometemos demasiados e graves erros, imperdoáveis para um equipa profissional”, reconheceria, mais tarde, o treinador do Louletano, Miguel Fernandes. E na verdade, assim foi, já que o segundo golo do Barreirense marcou, sem dúvida o jogo.

A partir desse momento, o conjunto do Barreiro passou a controlar o jogo a seu belo prazer, com os seus jogadores a mostrarem do melhor futebol que já praticaram esta temporada. Foi, por isso, com justiça que, aos 79 minutos, Tamandaré, isolado por Pedro Duarte, aumentou a vantagem barreirense para 3-0.

Apesar disso, a equipa da casa não diminuiu a pressão sobre o adversário e, aos 87 minutos, o mesmo Tamandaré roubou a bola ao defesa-central Paulo Jorge arrancou em direcção à baliza e bateu Dadinho pela quarta vez.

Não satisfeitos, os jogadores do Barreirense nem no período de compensação dado pelo árbitro abrandaram o ritmo de jogo e, já depois dos 90 minutos, Pedro coroou uma boa exibição com um golo conseguido graças à sua grande rapidez, que lhe permitiu fugir à defesa do Louletano e rematar diante de Dadinho que, mais uma vez, nada podia fazer.

Com esta goleada, o Barreirense saltou do 12º para o sétimo lugar, lado a lado com o Amora, que também tem 48 pontos, depois de neste fim-de-semana ter perdido no terreno do Casa Pia, por 2-0.

Imparável continua o Seixal, que nesta jornada recebeu e derrotou o Lusitânia dos Açores, por 2-0. Vitória que lhe dá o quinto lugar, com 55 pontos.

Na próxima jornada, a penúltima do campeonato, a equipa seixalense desloca-se ao terreno do Atlético, o Amora vai a Alvalade defrontar o Sporting B e o Barreirense joga em casa do Olivais e Moscavide. seta-9505522