[ Dia 31-05-2002 ] – Ante-estreias e homenagens no primeiro dia do Festróia.

0

Ante-estreias e homenagens no primeiro dia do Festróia

No dia em que começa mais uma edição do Festróia, Mário Ventura Henriques, director do evento, afirma que depois de “muitos meses de trabalho intenso está tudo a posto para o início das exibições das películas, que este ano atinge o maior número de sempre, 156 filmes”. Novidade na 18ª edição deste Festival vai ser a exibição de uma selecção de películas em Almada, “que decorre de um acordo entre a autarquia almadense e a direcção do Festróia”, esclarece Ventura Henriques.

Para o director, é “muito importante” o acordo com a Câmara de Almada, uma vez que este concelho “tem uma vertente cultural muito forte” e a exibição de filmes do Festróia vem “colmatar uma lacuna que existe ao nível do cinema não comercial”. Mário Ventura Henriques acredita que “esta parceria vai trazer bons resultados, atendendo a que esta região tem um público muito interessado”.

A edição de 2002 do Festróia começa hoje (31 de Maio), pelas 21:00 horas com a apresentação do júri internacional, no Fórum Luísa Todi. Nomes como os realizadores Nana Djordjadze, da Geórgia, Lissy Bellaiche da Dinamarca, o actor holandês Ramsey Nasr e o sueco Thom Palmen, director do Festival de Umea, constituem a parte internacional do Júri do Festival de Cinema de Setúbal. Sofia Sá da Bandeira, Vasco Brilhante e o realizador Alberto Seixas Santos, compõem o sector nacional deste júri.

No Fórum Luísa Todi, às 21:30 horas, os cinéfilos podem assistir ao primeiro filme do concurso, “Sonhos Felizes”, uma obra eslovena realizada por Saso Podgorsek. À meia noite é possível assistir à ante-estreia de “As Almas Fortes”, um filme francês do realizador Raoul Ruiz.

Também no Auditório Charlot se pode assistir à ante-estreia de “Va Savoir” de Jacques Rivette e ao filme “Veronika Voss”, do já desaparecido produtor Rainer Fassblinder. “Veronika Voss” é um filme integrado no ciclo de produções que pretendem assinalar os 20 anos da morte deste cineasta.

Devido à escassez de verbas, Mário Ventura Henriques reafirma que “não vai haver nenhuma grande estrela nesta edição do Festróia” e mostra-se “confiante” no sucesso da 18ª edição do Festival Internacional de Cinema de Setúbal. O director garante que “não é possível prever o número de pessoas que vai assistir ao evento”, porém atendendo aos anos anteriores, “onde se registou um crescimento contínuo de público”, será legítimo “esperar que o Festróia tenha uma boa adesão”. seta-1046224