[ Dia 30-09-2003 ] – Centro de Estudos Bocageanos com sede na Casa Bocage

0
Rate this post

A Câmara Municipal de Setúbal formalizou, ontem à noite, a entrega da Casa de Bocage, onde nasceu e viveu poeta, ao Centro de Estudos Bocageanos (CEB). Durante dois anos o CEB tem a sua sede fixa no número 12 da rua Edmond Bartissol, topónimo que homenageia o francês que adquiriu o edifício, oferecendo-o posteriormente ao município para ali fazer uma casa-museu dedicada ao poeta. “A partir deste momento o Centro tem os meios para mostrar a todos o valor inequívoco do patrono de Setúbal”, disse Daniel Pires, director do CEB, visivelmente satisfeito com o acordo.

Com a assinatura deste protocolo o CEB vai proceder à realização de acções de divulgação da obra bocageana de forma mais regular, prevendo organizar na Casa Bocage iniciativas de caracter artístico e cultural, como palestras, conferências, exposições, saraus poéticos, e lançamentos de livros. O CEB prevê também a abertura de uma biblioteca de fundo local de temática bocageana, com acesso livre ao público. Carlos de Sousa, presidente da câmara de Setúbal, disse que com este protocolo a Casa Bocage fica “exclusivamente” dedicada ao poeta, devendo ser em breve retirado o espólio de Américo Ribeiro, actualmente em exposição no primeiro piso.

Quanto a projectos, Daniel Pires revelou que o CEB vai colaborar com a Biblioteca Nacional na organização de uma “grande iniciativa evocativa de Bocage” e pretende que as comemorações do dia do Bocage alcancem ”projecção internacional”, nomeadamente no Brasil, onde Bocage é mais conhecido por ser um “fura-vidas” do que por ser poeta. Daniel Pires pretende ainda que a casa museu de Bocage funcione em “conjugação” com as escolas secundárias e lamenta que o ministério da Educação tenha retirado Bocage das leituras obrigatórias no programa do ensino secundário.

“Bocage ainda não teve o reconhecimento que merece”, disse a deputada Odete Santos, que considera que Bocage continua a ser para muitos o “poeta maldito das anedotas”. Odete Santos disse ao “Setúbal na Rede” que tem um “desgosto grande” de ter visto comemorar a nível nacional Camões e Fernando Pessoa e que as comemorações de Bocage sejam “apenas locais”. Para a deputada comunista, o CEB desempenha um papel “bastante importante” com vista à divulgação da obra do poeta e este protocolo vai beneficiar essa actuação cultural.

Durante esta noite evocativa de Bocage foram lidos poemas de Bocage pelo actor José Nobre, do Teatro de Animação de Setúbal, acompanhados ao piano pelo maestro Rui Serôdio. Desde 2001 que o CEB, actualmente com 200 sócios, é reconhecido pela autarquia como entidade de utilidade pública, tendo recebido no dia 15 de Setembro, dia de Bocage, a medalha de honra da cidade. seta-6552134