[ Dia 19-12-2003 ] – Trabalhadores da Enertel já receberam indemnizações.

0

Trabalhadores da Enertel
já receberam indemnizações

Os mais de 70 trabalhadores da Enertel que ficaram sem os postos de trabalho, na sequência da transferência da empresa para Esposende, já receberam as respectivas indemnizações. A informação foi avançada ao “Setúbal na Rede” por José David, do Sindicato dos Trabalhadores da Indústrias Eléctricas, que, acrescentou, no entanto, que a empresa “deve ainda três meses de salários aos funcionários”.   

De acordo com o sindicalista, “a empresa deve aos trabalhadores o salário do mês de Dezembro, mais o subsídio de Natal e o subsídio de férias do próximo ano”. No entanto, a administração “não deu quaisquer garantias de que a situação esteja normalizada até ao final do ano”. Reunidos hoje em plenário, os trabalhadores “decidiram esperar pelo pagamento das verbas em dívida”.

José David garante que os trabalhadores “não vão desistir de lutar pelos seus direitos”, embora seja certa a situação de desemprego para os trabalhadores que se recusaram a acompanhar a Enertel para Esposende. Em relação a esta questão, o sindicalista garante que “apenas o engenheiro da empresa, vai acompanhar a deslocalização para o norte do país”. Isto porque, segundo diz, “a empresa refere que dois a três trabalhadores terão aceite esta situação”, mas isso “não corresponde exactamente à verdade”. “Apenas um trabalhador vai acompanhar a transferência da Enertel”, refere, e os restantes 78 ficaram sem os postos de trabalho.

Recorde-se que a Enertel, empresa produtora de condutores eléctricos, com sede em Brejos de Azeitão, anunciou no início do mês a sua transferência para as instalações da Solidol, em Esposende, a partir de 1 de Janeiro de 2004. Mais de 70 trabalhadores ficaram no desemprego, pois, segundo José David, “não estavam dispostos a mudar-se para uma terra distante”, onde “teriam de começar uma vida quase do zero”. Para além disso, a empresa comprometia-se “apenas em pagar o transporte dos bens até Esposende, e nada mais”.

O “Setúbal na Rede” tentou uma vez mais obter esclarecimentos por parte da administração da Enertel, mas até ao momento não foi possível estabelecer o contacto. seta-4095207