[ Dia 15-12-2003 ] – ASSENTO PARLAMENTAR por Joel Hasse Ferreira (PS).

0

ASSENTO PARLAMENTAR
por Joel Hasse Ferreira
(Deputado do PS eleito pelo distrito de Setúbal)
 

“Portugal parado ou a andar para trás”

A visita de Ferro Rodrigues ao Santuário do Cabo Espichel expressou publicamente uma preocupação quanto ao país parado em que o Governo PSD/PP transformou Portugal. Durante a governação de Guterres tinha-se recuperado a igreja e estabelecido um acordo entre o Município de Sesimbra e o Governo da República para transformar as alas do Santuário em Pousada e equipamento de apoio.

O actual Executivo paralisou todo o processo, avançou para a privatização da ENATUR sem dar andamento ao que estava a ser desenvolvido entre a Câmara de Sesimbra, o Governo e a ENATUR. É a completa ineficácia, concretizando a sua prática de pôr Portugal parado ou a andar para trás. Só falta depois o PSD de Sesimbra ou do distrito de Setúbal vir a atribuir à Câmara Municipal o atraso por este processo, atraso esse que é da exclusiva responsabilidade do Governo de Durão Barroso.

Um estranho acordo entre Carlos de Sousa e o actual Governo permitiu que a Câmara de Setúbal mantenha o seu estatuto de terra de asilo para antigos autarcas comunistas derrotados nos seus municípios. Carlos de Sousa, imitando Durão Barroso e Ferreira Leite, procurou destruir completamente a imagem do anterior Executivo, liderado por Manuel da Mata Cáceres responsabilizando-o pelas dificuldades actuais do Município. Teve agora o prémio do seu ataque despudorado aos socialistas, adversários principais do antigo estratega maoista, hoje primeiro-ministro. Terá sido mais fácil desbloquear as verbas e os créditos para Setúbal do que cumprir a legislação no que se refere às transferências para o conjunto dos municípios portugueses. Agora já não há desculpas para não desenvolver o concelho de Setúbal.

Em qualquer caso, a vizinha Câmara de Palmela, também de presidência comunista, (mas diferente) teve direito a um ridículo PIDDAC e a maioria parlamentar PSD/PP inviabilizou, no hemiciclo de S. Bento, equipamentos de grande importância para o distrito, como o Hospital de substituição do Montijo, um novo cais de acostagem para Alcochete, a ligação rodoviária da Mitrena à ao Alto da Guerra, a remodelação do hospital de S. Bernardo (parte velha) e Garcia da Orta (maternidade). Assim como inviabilizaram a atribuição de verbas para a conclusão do estudo da 3.ª travessia do Tejo. Quererão a passagem das carruagens do TGV sobre o Tejo por via aérea? Mesmo essa solução, merecia adequado estudo técnico e de viabilidade económica… seta-9698399