[ Dia 13-09-2004 ] – Tertúlia de Bocage contribui para desenvolvimento cultural da região

0
Rate this post

Tertúlia de Bocage contribui
para desenvolvimento cultural da região

A Tertúlia “Eis Bocage… Conversas de Botequim” dinamiza, mais uma vez, a cidade de Setúbal e o espírito das Festas Bocageanas. O “Setúbal na Rede” organiza, amanhã, um encontro de pessoas “que partilham o gosto por temas de âmbito cultural”. O mote é o poeta Manuel Barbosa du Bocage mas “a tertúlia está aberta a outros temas”, entre eles a homenagem a Sophia de Mellho Breyner Andresen. O director do jornal, Pedro Brinca, defende que esta “é uma forma de contribuir para o desenvolvimento cultural da região”.

“Um convívio onde se vive a cultura e a poesia”, é assim que Pedro Brinca define a iniciativa. O objectivo “é criar uma alternativa ao serão do quotidiano em frente à televisão”. “Eis Bocage… Conversas de Botequim” pretende “ser uma verdadeira tertúlia”, por isso a organização cria “um ambiente que desperta a espontaneidade dos presentes”, nomeadamente para declamarem poemas. Para acabar “com a timidez e inibição inerentes a estas situações”, vão surgir alguns actores que “dinamizam os tempos mortos”.

Os actores do Teatro Estúdio Fontenova, do Bando, do Elefante e do Teatro de Animação de Setúbal vão criar ritmo “através do improviso e da informalidade”. O director do jornal levanta a ponta do véu e adianta que, este ano, “vai haver uma surpresa”. Sem adiantar muito, Pedro Brinca garante que o actor Álvaro Félix vai apresentar um número “interessante”. Os núcleos de poesia do Centro de Estudos Bocageanos e a Liga dos Amigos de Setúbal e Azeitão (LASA) compõem o programa.

Não é “comum” um jornal produzir uma iniciativa do género. Pedro Brinca explica que o “Setúbal na Rede” nunca se assumiu “como um vulgar órgão de comunicação social”. A posição “acutilante e interventiva” tem como máxima “ser um agente do desenvolvimento regional”. Os debates, os seminários e a tertúlia “inserem-se nesse espírito”. No entanto, o director do jornal reconhece que o “Setúbal na Rede” “precisa de desempenhar o seu papel de uma forma mais efectiva”.

A cultura “é um elemento importante de desenvolvimento”. Por isso, “é positivo que a tertúlia se tenha imposto na tradição da cidade”. Amanhã cumpre a sua 5.ª edição e Pedro Brinca não imagina “um hipotético fim da iniciativa”, até porque “já se tornou num elemento obrigatório das Festas Bocageanas”. A própria Câmara Municipal de Setúbal “reconhece o mérito da iniciativa e associa-se a ela”

Pedro Brinca argumenta que a tertúlia “está muito virada para o concelho de Setúbal” porque Bocage “é uma figura da cidade”. Além disso, “realiza-se na véspera do Dia de Bocage e do feriado municipal”. Em cima da mesa vão estar produtos gastronómicos representativos do concelho e zonas envolventes. O pão dos Moinhos Vivos, o Queijo de Azeitão, o Vinho do Ti Bento e o Moscatel de Setúbal vão estar acompanhados do chouriço de uma empresa da Quinta do anjo e das tradicionais conservas de sardinhas de Setúbal.

A componente gastronómica “faz parte do próprio espírito tertuliano”. Cria-se um ambiente “informal”, onde as pessoas “não estão a ver um espectáculo até porque os actores estão distribuídos pelas mesas”. Para recriar o ambiente dos séculos XVII e XVIII existem músicos de salão. A iniciativa decorre no Clube Setubalense (CS), que pela sua decoração, é um espaço “acolhedor”. Pedro Brinca acrescenta que o CS mantém um perfil “invulgar”. O piano, as poltronas e o espelho “rompem com outras colectividades” onde imperam as vulgares cadeiras de plástico com publicidade registada.seta-4181538